Um retrato plural e multiforme das mulheres que habitam o nosso país.

Eu reclamo o meu país. Este território de liberdade, partilha, solidariedade, onde milhares de pessoas lutaram e deram a vida pela justiça social, pela liberdade, pelo fim de todas as formas de opressão e desigualdade (pobreza, escravatura, inquisição, patriarcado, monarquia, colonialismo, fascismo, racismo, lgbtfobia, machismo, capacitismo, idadismo). Não sou só eu que descendo de gerações de  pessoas que morreram a lutar para que eu possa estar aqui hoje. Não vou deixar que nos apaguem da história. Mas mais importante: estas pessoas existem hoje, lutam por uma vida mais digna para as suas famílias, comunidades, para todas. Escolheram viver aqui, como eu, e muitas nem direito à cidadania conseguem, apesar de trabalharem como novas escravas, da limpeza à arte. São heroínas anónimas.

Eu reclamo este PAÍS, é meu. Quanto mais eu viajei e me apaixonei por outros, mais eu ganhei a consciência da necessidade fundamental de, como cidadã e artista, reclamar o direito ao meu país.

Fui ouvir o que têm para contar as pessoas que, historicamente, como eu, nunca foram ouvidas: as mulheres que escolheram viver neste território físico e simbólico. Com essa vontade de escuta activa e de diálogo, criando pensamento crítico.

MULHERES DO MEU PAÍS é um projecto que celebra a multitude de mulheres que fazem este país avançar todos os dias. Através da voz de cada uma destas mulheres conhecemos a riqueza das experiências vividas, que, juntas, nos dão um legado de confiança, justiça, perseverança, respeito e liberdade.São mulheres que venceram as desigualdades sociais e transformam o mundo à sua volta. São mulheres do nosso país.

 

Filme

Longa metragem | 1’'41" | 2020

São 14 histórias cruzadas, sobrepostas, contrastadas e colocadas em diálogo, são 14 testemunhos de vida, de resistência, de dignidade, que nos emocionam, interpelam, que ora nos provocam gargalhadas ora nos fazem engolir em seco.

Em cada mulher, uma história onde se cruzam múltiplas opressões, em cada sujeito uma singularidade que é também a síntese de múltiplas determinações sociais. No seu conjunto, um retrato do país, das estruturas, das desigualdades, mas também da inteligência, da coragem, da emancipação, da luta pela felicidade.

 

Trilogia

Longa metragem | 2020

A TRILOGIA "HISTÓRIAS DAS MULHERES DO MEU PAÍS” são testemunhos de vida, de resistência, de dignidade, que nos emocionam, interpelam, que ora nos fazem rir ora nos fazem engolir em seco. 

É um retrato plural e multiforme das mulheres que habitam o nosso país: operárias e investigadoras, pescadoras e empregadas de limpeza, agricultoras e cuidadoras, bombeiras e bailarinas, empresárias e escritoras, estudantes e líderes comunitárias, jovens a desbravar terreno no rap ou menos jovens a fazê-lo nas questões ambientais, mulheres trans, mulheres lésbicas, mulheres com diferentes capacidades, mulheres brancas, negras, ciganas. Mulheres. Em cada uma, uma história onde se cruzam múltiplas opressões, em cada sujeito uma singularidade que é também a síntese de múltiplas determinações sociais. No seu conjunto, um retrato do país, das estruturas, das desigualdades, mas também da inteligência, da coragem, da emancipação, da luta pela felicidade.

Animação

 

Curta metragem | 1'08" | 2020

Uma curta-metragem de animação, co-realizada com a artista Tainá Maneschy.

Filme de animação que retrata as histórias das Mulheres do Meu País e do que as une, filha da quarentena e da sonoridade criativa entre as realizadoras Raquel Freire e Tainá Maneschy , a criativa Ana Neves e música de Joana D'água.

Uma peça de arte, 4 de 4, do projeto Mulheres do Meu País.

Exposição fotográfica | 2020

Exposição

 

ma exposição com cartazes de fotografias de todas as mulheres do filme, onde cada uma se auto-nomeia e diz quem é pelas suas próprias palavras. Cada uma tem um cartaz com uma imagem dela e as suas palavras. Esta exposição acompanha os filmes, é parte orgânica.